sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Memória de mãe


Morena, os passos ligeiros, o pulso firme. Minha mãe era silêncio. Trazia nos olhos uma marca indelével de ternura, logo soube: atrás deles morava uma menina magrelinha, pequenina, distraída com as mãos sempre sujas de tinta. Aprendi sua voz. Observei. No seu tempo, sem que ninguém lhe pedisse, floria. Cantarolava pela casa. Pintava bichinhos pelos panos. Abria as janelas. Num sopro de paz e solidão, também não tardei a descobrir: minha mãe mora em mim.

3 comentários:

  1. Luiz Antonio dias9 de abril de 2013 07:33

    Eu vejo sua mãe, chego a ouvir o seu cantarolar. A poesia traz para gente, leitor, os acontecimentos que já se foram, a vida que passou e se renova a cada momento. A imagem traz a cena, de novo.
    Parabéns.
    Luiz Dias

    ResponderExcluir